top of page
  • Foto do escritorALDEIA

CrossFIT X Incontinência Urinária

Atualizado: 14 de jan.

Alguém lembra da avó pegando peso na academia ou saltando caixas? O estilo de vida das mulheres há alguns anos atrás era bem diferente. E exercícios físicos como CrossTraining, Ginástica, Vôlei e Basquete, não eram muito difundidos pelo público feminino. Já param pra pensar nisso? Os exercícios de alto impacto exercem no nosso abdômen um aumento de pressão (PIA - Pressão intra abdominal) que reflete diretamente no nosso assoalho pélvico, principalmente feminino, deixando-o mais sobrecarregado e consequentemente menos funcional. Somando a fadiga neuromuscular causada durante o exercício, e a sobrecarga nos músculos do assoalho pélvico, isso pode comprometer as funções de continência urinária e em casos mais graves até causando a descida dos órgãos pelo orifício vaginal (que chamamos de Prolapso).

Fatores como idade elevada, sexo feminino, sendentarismo, IMC elevado, quantidade de gestações e frequência de treino semanal influenciam diretamente na chance desses problemas acontecerem.

Foi publicada março de 2022 uma revisão sistemática com metanálise, onde 4.823 pessoas (3.682 praticantes) de 18 a 71 anos foram analisadas em 13 estudos transversais, 6 desses realizados no Brasil. Foi encontrado que os praticantes de Crossfit são mais propensas a apresentarem incontinência urinária do que o público em geral, e as que apresentaram essa queixa, tinham mais idade, IMC elevado, e maior paridade (tinham mais filhos).

E ainda 7 desses 13 estudos, revelaram que o ato de pular caixas (Box Jump) e corda (simples e dupla - SU e DU), aumentam a probabilidade de perda de urina.

Então o CrossFit aumenta o risco de desenvolver incontinência urinária? Parece (muito!) que sim. Mas ainda não podemos tirar conclusões sólidas, e nem dizer que o esporte não deva ser recomendado com base no aumento do risco de IU.

(DOI 10.1007/00192-022-05244-z)

O Treinamento dos Músculos do Assoalho Pélvico que é orientado pelo fisioterapeuta em consultório (e DIFERENTE do que se propõe nas técnicas de pompoarismo, yoga, pilates, ginástica hipopressiva) é o único tipo de exercício recomendado como tratamento conservador de primeira linha para mulheres com incontinência urinária de esforço, urgência ou mista. Recomendação da International Continence Society (ICS) 2016 e foi confirmada na última revisão sistemática Cochrane 2019. (DOI 10.1016/j.bipt.2019.01.002)

Então devemos deixar o treino de lado? De forma nenhuma! Vale passar por uma avaliação com um fisioterapeuta pélvico e verificar o que pode ser feito para minimizar esses danos, fazer com que esses músculos, nervos, fáscias e ligamentos, sejam preparados para receber essa carga, e tratar caso haja qualquer gotinha de xixi saindo durante os treinos!

Perder xixi tossindo, espirrando, pulando corda, caixa, é comum, mas não é normal!

Procure orientação, deixe seu assoalho pélvico bem tratado e jogue duro nos treinos!



Amanda Sampaio Nicholls

• Fisioterapeuta graduada pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

• Especialista em Saúde da Mulher pelo COFITTO

• Pós graduada em fisioterapia Pélvica e Obstétrica

• Proprietária da clínica Vie Santé Fisioterapia

• Instrutora de Pilates para gestantes

• Atleta de CrossFit há 10 anos (na “minha Aldeia” e mãe de Gabriel e Rafael

111 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1件のコメント


Conteúdo importantíssimo para nós mulheres porque precisamos conhecer nossos corpos, forças e limitações e essa matéria está muito bem fundamentada cientificamente, além de propor as soluções, o enfrentamento de possíveis problemas, sem deixar de ser atleta. Parabéns, Amanda e Aldeia!! A gente percebe em cada tema abordado e nas atividades realizadas pela Aldeia, o cuidado integral com todos os alunos e colaboradores!!! 😍

いいね!

*todas as informações contidas nesse blog são de propriedade da ALDEIA CLUBE DE SAÚDE©, que detém todos os direitos reservados de autoria. Toda e ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usada de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor ou editor sob pena de ação jurídica conforme LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.

bottom of page