top of page
  • Foto do escritorALDEIA

Mobilização ou Liberação Miofascial

Atualizado: 14 de jan.

Pra quem ainda fica curioso ao ver os praticantes de CrossTraining passando um “rolo de pizza” no corpo, saiba que essa técnica é o grande segredo para a prevenção de lesões musculares e alívio das dores musculares, quando treinamos intensamente. Aqueles são sticks ou os rolos de liberação miofascial.

 

A liberação miofascial consiste em um método de aplicação de pressão em alguns pontos do corpo, com o intuito de amassá-los, literalmente, buscando uma maior liberdade entre o músculo e a fáscia (FUKUJIMA, 2007).A fáscia é uma lâmina de tecido, extremamente resistentee elástica, que recobre todos os músculos do corpo, logo abaixo da pele, e permite o deslizamento perfeito dos músculos durante os exercícios. Ao pé da letra, mio = músculo; fáscia = tecido conectivo. Por isso, miofascial.

 

Quando me perguntam se é normal doer quando faz a liberação? Respondo sinceramente que sim. Mas explico que a pressão da liberação é uma "dor boa", pois está efetivamente liberando a fáscia dos pontos de tensão, estimulando a circulação local e ofertando oxigênio para a mesma. E pode ter certeza que, quando finalizada, provoca um grande alívio. O que acho mais interessante é que recebo diariamente no consultório, diversos desportistas que apresentam dores persistentes e sem diagnóstico informado pelo médico, já que muitas vezes os exames de imagem se apresentam normais. Na sua grande maioria, além de disfunções nas articulações, o que mais acontecem são restrições de movimento por problemas na fáscia (LEVY, 2001).

 

Não é à toa que nas maiores competições mundiais, como nos Jogos Olímpicos, facilmente visualizamos as grandes seleções ofertando no aquecimento com os seus fisioterapeutas e preparadores físicos, atividades de liberação e auto-massagem. Os rolos e sticks já são instrumentos obrigatórios e inseparáveis dos atletas de elite.

 

O uso exagerado da musculatura, maus hábitos posturais, padrão de movimento incorreto e até mesmo desgastes emocionais e estresse podem levar a uma alteração prejudicial da fáscia, resultando em uma pressão excessiva sobre os nervos e músculos (LEITE, 2008). Isso faz com que o nosso corpo reaja formando nódulos, que são chamamos de pontos gatilhos (trigger points). Esses pontos acumulam toxinas e prejudicam o bom funcionamento do sistema musculoesquelético, alteram acoordenação, a flexibilidade e a força muscular, mais uma vez formando uma bola de neve que certamente vai culminar no aparecimento de lesões, e impedir o desempenho no treinamento físico e o bem estar em geral.

 

Geralmente, indico a liberação miofascial no pré-treino(pode ser a auto-liberação, na qual a própria pessoa executa), para aumentar a mobilidade articular, favorecendo uma melhor execução dos movimentos e diminuindo a sobrecarga e tensão músculo-articular.Nesse momento, não precisa ter pena e a pressão pode ser suficiente para causar a dorzinha boa. Já no pós-treino, também é muito bem vindo, já que faz com que o praticante saia do treino com a musculatura relaxada.

 

Independente do esporte ou atividade física que você pratique, crie o hábito de ofertar o máximo de conforto e segurança, deixando os músculos sempre livres de impedimentos ou dores, através da auto liberação, seja com a mão, seja com uma bolinha de tênis ou rolos específicos. O que importa é proteger-se sempre e se afastar das possibilidades de lesões.

 

 

 

 

 

 

 

 

Arivan Gomes. Crefito 7 – 91046-F

Fisioterapeuta do Esporte

Coordenador de Performance e Saúde do Esporte Clube Bahia

Professor da UNEB

Sócio Fundador da Aldeia Medicina e Esporte e da Core Fisioterapia

48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

*todas as informações contidas nesse blog são de propriedade da ALDEIA CLUBE DE SAÚDE©, que detém todos os direitos reservados de autoria. Toda e ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usada de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor ou editor sob pena de ação jurídica conforme LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.

bottom of page